terça-feira, 22 de março de 2011

Resenha: "Eldest" de Christopher Paolini

Eldest (Ciclo A Herança #2) de Christopher Paolini;
Editora: Rocco; 631 páginas.

Sinopse:Eldest acompanha o amadurecimento do jovem guerreiro protagonista da história e mostra também o crescimento de Christopher Paolini como escritor.A narrativa de Eldest começa três dias após a cruel batalha travada por Eragon para libertar o Império das forças do mal. Agora, o Cavaleiro de Dragões se vê envolvido em novas e emocionantes aventuras. Em busca de um tal Togira Ikonoka - "O Imperfeito que é Perfeito" -, que supostamente possui as respostas para todas as suas perguntas, Eragon parte, junto com Saphira, o dragão azul que o acompanha desde o início da aventura, para Ellesméra, a terra onde vivem os elfos. Lá, eles pretendem aprender os segredos da magia, da esgrima e aperfeiçoar o seu domínio da língua antiga. Em sua jornada, que também é uma caminhada para a maturidade, Eragon conhece seres e lugares diferentes e se apaixona por Arya, filha da rainha Islanzdaí. Mas também descobre que nem tudo é o que parece. Conflitos e traições aguardam o jovem herói e por um longo tempo ele não tem certeza em quem pode confiar. Os desafios de Eragon são entremeados pela luta de Roran, cuja importância aumentou em relação ao primeiro livro, formando narrativas paralelas que se juntam no fim com um único objetivo: derrotar o grande rei. Mais maduro e preparado, Eragon consegue afastar o exército inimigo por algum tempo. A vitória definitiva, no entanto, só acontece depois da revelação de um grande segredo, que fará com que Eragon e Roran se unam novamente e decidam partir para uma nova e perigosa missão, que parece ser o ponto de partida do terceiro livro: salvar a noiva de Roran, Katrina, dos Ra´zac.



Vocês sabem que eu li “Eragon”, o primeiro livro da série, já há um bom tempo e o reli no mês passado, inclusive fiz resenha dele, e foi desde então que eu percebi que tinha me apaixonado pela história criada por Christopher Paolini.
Nos comentários da própria resenha de “Eragon” que eu escrevi, algumas pessoas disseram que “Eldest” era ainda melhor que seu antecessor, o que me deixou com uma grande expectativa, já que “Eragon” foi ótimo. Mas não concordo com isso, pois “Eldest” deixou a desejar em muitas partes, apesar de também ser ótimo.
Logo no inicio, que se dá exatamente aonde “Eragon” foi encerrado, coisas que te surpreendem acontecem e fazem parecer que a história vai ser incrível e muito agitada, porém não há nada de muito agitado no decorrer do livro, quase nada surpreende até uma boa parte do enorme livro de mais de 600 páginas.
A história não se concentra só em Eragon, o personagem principal, que está estudando para se tornar um poderoso cavaleiro de dragão, mas também no seu primo, Roran, que pouco aparece no primeiro livro, mas ganha destaque nesse e, muito pouco, em Nasuada, outra que parecia não ter importância no livro um, mas se tornou uma das minhas personagens preferidas. O que é ruim nisso tudo é que as partes se tratando de Eragon são maiores que as dos outros, obviamente porque ele é o protagonista, e elas são extremamente monótonas e repetitivas. Enquanto lia, me alegrava muito ao perceber que o próximo capítulo mostraria a vida de Roran.
No entanto, há poucas, mas há sim surpresas, que são boas e ruins. A aparição de um tal personagem parecia ser ótima, mas se tornou grande parte da chatice de Eragon, pois foi um personagem que me frustrou muito, apenas ensinando coisas ao cavaleiro.
Mas mesmo sendo um livro monótono em que quase nada acontece até mais da metade, “Eldest” conseguiu me prender na história de uma maneira que eu não esperava, mesmo sendo cansativo ler algumas partes eu as lia com prazer, pois elas me deixavam muito presos a história e com muitas dúvidas em relação ao que iria acontecer a seguir, o que sempre me fazia ler mais um capítulo.
A decepção que tive com este segundo livro da série durou até muito próximo do fim, mas a espera pelo grande final valeu a pena. Os últimos capítulos são simplesmente fantásticos, incríveis, inacreditáveis. O que me fez me apaixonar ainda mais pela série e me deixou ansioso pelo terceiro livro, “Brisingr”, que eu já tenho na minha estante. Só espero não me decepcionar com ele e poder ver mais uma vez a qualidade do autor Christopher Paolini, que se mostrou muito mais maduro e com muito mais qualidade na escrita. Agora só falta ele se resolver e lançar logo o último livro da série, pois não quero esperar muito para saber como termina essas aventuras que se tornaram uma das minhas sagas favoritas.
Se você ainda não leu, leia!

Não esqueçam de comentar hein!!!

5 comentários:

Caue1507 disse...

qria muito ler essa série, mas ainda estou lendo 2 e os livros dessa série são meio caros :S

--
hangover at 16

Karlinha disse...

Nossa, eu quero muito ler essa série vc não tem ideia. Adorei tua resenha, ficou muito boa.

Karlinha

www.coffieandmovies.com.br

Luiz Silva disse...

Quero ler a série também!
Adoro o filme, e pelo que voce disse os livros são otimos também.
Acho incrivel que quando o Christopher começou a escrever a série ele era muito novo, e fez essa série de sucesso!
Talento não tem idade mesmo!

Abraço

Luiz Silva
www.blogueiroleitor.com.br

Nanda disse...

Ei Victor,

Eu tbm não acho que este seja melhor, o primeiro eu amei depois ele vai enchendo de linguiça para fazer a trilogia render mais um livro rs. O 3 é melhor do que este mas tem algumas cenas longas e chatas tbm rs.

bjo

Andy disse...

Quero ler essa série, acho muito legal o tema, o problema é quando o livro é grande e a leitura é cansativa, isso me desanima um pouco.

Mas um dia eu leio essa série, talvez quando lançar o quarto livro, eu me anime um pouco.

Postar um comentário